Campanha das Particulares: Com luta alcançaremos a vitória

sindados

Após a 4ª rodada de negociação dia 21/07, entre a direção do Sindados e o Sinepd (sindicato patronal), o impasse persistiu. Conseguimos sair da proposta de reajuste zero para 2% para salários acima do piso e 4% para os que ganham o piso.

Nas assembleias feitas em diversas empresas, a proposta patronal foi rechaçada por unanimidade.

No que pese a conjuntura ser desfavorável, cujo único culpado é o desgoverno do corrupto Temer, que tenta a todo o momento lançar a crise política, econômica, social e moral no colo dos trabalhadores, cabe fazermos uma pequena análise fria e real do que se passa. Vejamos:

  • a grande maioria do congresso nacional acabou de referendar a corrupção no Brasil com o arquivamento do processo de corrupção contra o presidente;
  • foi aprovada a reforma trabalhista que retira direitos e conquistas;
  • foi aprovada a terceirização que precariza a mão de obra e escraviza o trabalhador;
  • faca no pescoço do pobre pagador de impostos e anistia aos devedores/sonegadores;
  • iminente aprovação da reforma previdenciária que, se passar, voltaremos ao século XIX.

Só para lembrar: foi criada no século XIX a Lei nº 3.270, também conhecida como a Lei dos Sexagenários, que garantia liberdade aos escravos com 60 anos ou mais. Ele raramente chegava a atingir esta idade porque depois de tanto trabalho, tanto sofrimento e surras, morria precocemente. Fazendo uma comparação com a reforma previdenciária, aposentar-se aos 65 anos com 35 de contribuição é a mesma coisa. Morreremos antes.

Voltando a nossa campanha. Nas empresas Serpro e Dataprev (autarquias do governo federal), após várias rodadas de negociação recusam-se a debater cláusulas econômicas, alegando que não estão “autorizadas” pelos órgãos controladores. No âmbito municipal e estadual a Cogel e a Prodeb respectivamente, também autarquias, seguem a mesma linha.

Não esmorecemos, continuamos na labuta e em 01/08 aconteceu uma nova rodada, a 5ª mesa. Os patrões apresentaram uma nova proposta de reajuste salarial de 4% linear. Entendemos que houve um pequeno avanço em relação à anterior (mudou de 2% para 4%), mas certamente está longe de atender o pleito dos trabalhadores que é de 6.28% de reajuste salarial, 8.28% para o vale alimentação, e estabilidade de 01 ano para todos os empregados após a assinatura do acordo.

No intuito de achar uma saída satisfatória o Sindados apresentou uma nova contraproposta: 5,28% linear retroativos a 01 de maio de 2017 + 1% em novembro de 2017, sem retroatividade + 8,25% no ticket + 01 ano de estabilidade. O Sinepd manteve sua proposta e ficou no aguardo da resposta das assembléias. Novamente os trabalhadores recusaram a proposta patronal e reafirmaram a proposta construída pelo sindicato e CST’s.

Nos próximos dias parte da diretoria do sindicato visitará pólos de informática nas grandes cidades do interior (Feira de Santana, Itabuna, Ilhéus, Stº Antonio de Jesus, Camaçarí, Lauro de Freitas, Juazeiro, Candeias, dentre outras. Faremos assembléias e discutiremos com os trabalhadores da nossa base, todo o histórico da nossa campanha salarial de 2017/2018.

A próxima rodada de negociação ocorrerá no dia 25.08.2017 às 14:30h na sede do Sindados. Logo após convocaremos uma assembléia deliberativa nas empresas Indra, Capgemini, Ericsson, Getronics, Edza, Montreal, Velsis, Brisa, TOTVS, Glauco, ZCR, Avancys, Pixels, Solutions, Dominious, dentre outras, com local, data e horário a ser confirmado.

Vale ressaltar que o sucesso obtido até aqui, é fruto da união e participação dos trabalhadores da nossa categoria.

Esperamos contar com todos aqueles que desejam um acordo decente, que atenda as nossas expectativas e recupere nossas perdas. Juntos, atingiremos a vitória.

Só a luta muda a vida!

E lembrem-se: UM POVO QUE  ELEGE CORRUPTOS NÃO É VÍTIMA. É CÚMPLICE! 

Veja Também

MESA PARTICULARES 05-07 (7)

Campanha Salarial 2017/2018: Intransigência patronal trava as negociações. Até quando?

A luta em defesa dos trabalhadores das empresas particulares se acirra a cada dia que passa! ...